terça-feira, 3 de março de 2015

Rumo à liberdade.

Olá, pípou! Tudo bem com vocês?


Na semana passada eu fiquei sem livros para ler (sim, isso aconteceu),então comecei a procurar dentre os meus algum que eu já tivesse esquecido ou quisesse ler novamente, e acabei achando este, da Giselda Laporta Nicolelis, que comprei em um sebo em 2010.

Pra quem quer um livrinho para ler durante as aulas, é ótimo! De tão pequeno, li ele em menos de uma hora.

Atenção, esse post contém spoilers!

A história começa com Luís, um doutor que, após passar um ano em Vão das Pedras, uma pequena cidadezinha, retorna para São Paulo. Em seu caminho de trem, relembra toda sua trajetória em flashbacks que surgem em seus sonhos enquanto o pect-plact dos trilhos o embala.  Não sei como Giselda conseguiu fazer isso tão bem em somente 45 páginas, mas ela fez!

Quando criança, Luís morou com a mãe, que trabalhava o dia inteiro, e com seu avô Horácio, sua melhor companhia. Seu pai havia falecido.
Devido à falta de seu pai, Luís era deixado de lado na escola e, por isso, não conseguia fazer amigos. Foi por causa dessa solidão que um dia seu avô saiu de casa dizendo que voltaria com uma companhia para o menino. Voltou, porém, com uma caixa cheia de furos que abrigava um Vira, uma espécie de passarinho. Luís ficou desapontado, é claro. Contudo, com o passar do tempo, percebeu que o pássaro se tornara não só seu melhor amigo, mas parte da família, da comunidade e até do grupo de amigos da escola, onde o menino ficou super popular.



Luís, assim como toda criança que possui um bichinho de estimação, temia que o amigo fugisse, mas mesmo assim, não prendia Vira-Mundo (como ficara conhecido) nem lhe cortava as asas, pois queria que o animalzinho tivesse liberdade e pudesse usar dela, mesmo que isso lhe custasse.

Como já era de se esperar, um dia Vira-Mundo voou, foi para longe. A princípio, Luís ficou inconsolável, mas depois percebeu que ele havia concedido esse direito à ave e que ninguém poderia lhe tirar o que o Vira havia lhe dado. Após algum tempo na falta de Vira-Mundo, Alcides, amigo de Horácio, decidiu presentear o menino com um novo Vira, que o concedeu novamente tantas alegrias. Mas assim como Vira-Mundo, o ouro vira se foi.  Fora seu avô quem lhe dissera que isso era uma consequência de crescer, que todos são como os pássaros, um dia poderão bater as asas rumo à liberdade.

Mais algumas fotos, porque não resisti. Esse livro é muita fofura!





Espero que gostem da sugestão de leitura.
Muitos e muitos abrações para vocês!
Baci,
Bia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário